CBHSF entrega obras em Chapada Gaúcha

Projeto de recuperação hidroambiental do rio Pardo beneficia Buraquinhos, comunidade de remanescentes quilombolas

Texto: Mariana Martins e Fotos: Bianca Aun

Depois de 18 meses de trabalho, o CBHSF entregou, no dia 12 de abril, as obras de captação de águas pluviais e recuperação do rio Pardo, em Chapada Gaúcha, norte de Minas. O rio, que nasce ali, segue por 165 quilômetros, até desaguar no São Francisco, na divisa entre Januária e São Francisco. Executado com recursos oriundos da cobrança pela água bruta, o projeto trouxe uma série de benefícios para a região, tanto ambientais quanto urbanísticos. Um dos povoados contemplados foi Buraquinhos, quilombo onde vivem 25 famílias, reconhecido, em 2008, pela Fundação Cultural Palmares.

montagemobraschapadagauchaObras executadas no povoado de Buraquinho

“Quem está conhecendo a estrada hoje não sabe das dificuldades que enfrentamos. Agora passa carro. Se a gente dependesse somente da prefeitura, nunca que sairia essa obra. Nosso município não tem recursos”, agradece João Teixeira, morador do quilombo há 51 anos.

A reforma da estrada que liga Buraquinhos à Chapada do Norte foi um dos importantes benefícios da obra. A via, de cerca de 1km, carreava uma quantidade significativa de sedimentos para o rio Pardo, provocando o assoreamento e, até mesmo, interferindo no seu curso. Em época de chuva, os moradores da comunidade chegavam a ficar isolados, com o trânsito interrompido em diversos trechos. Para resolver o problema foram construídas barragens de contenção e infiltração ao longo da estrada, que além de eliminarem uma das causas dos processos erosivos, permitem maior infiltração da água no solo, aumentando a recarga das nascentes e do lençol freático nas chapadas e planícies.

“Precisamos de novos projetos e recursos, principalmente para as pequenas veredas que estão assoreadas em consequência da devastação causada pelas plantações de eucalipto”, comenta o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Francisco Fernando, durante a cerimônia de entrega das obras, que aconteceu em Buraquinhos, com a presença do prefeito de Chapada Gaúcha, Jair Montagner, e da coordenadora da CCR Alto São Francisco, Silvia Freedman.

1520_Foto Bianca Aun_Buraquinhos MG_12abril2017Silvia Fredman, coordenadora da CCR Alto São Francisco e Francisco Fernando, secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Chapada Gaúcha

“Os moradores da comunidade demonstraram-se gratos e conscientes da importância da preservação dos recursos hídricos. O que nos recompensa é saber que, além de estarmos contribuindo diretamente com ações de recuperação física nas sub-bacias, estamos enchendo os corações das pessoas de esperança e fé para juntos revitalizarmos o rio São Francisco”, diz Silvia Freedman. “É uma grande realização para nós membros do CBHSF entregar mais uma obra hidroambiental em uma comunidade tão necessitada de ações práticas para a melhoria do meio ambiente e consequentemente melhoria da qualidade de vida”.

Além da via de acesso a Buraquinhos, a Localmaq, empresa encarregada pelas obras, construiu seis bacias de captação de água de chuva, cuja função é alimentar o lençol freático, e recuperou a área degradada da localidade de Resfriado, onde foram construídas 17 paliçadas e um aterro para condução de água de chuva em local seguro.

Veja fotos do evento e da região

<a href="https://flic.kr/s/aHskThTfWq" target="_blank">Click to View</a>

Chapada Gaúcha em pílulas:

. Para escrever uma das maiores obras da literatura brasileira, o escritor mineiro Guimarães Rosa passou pela cidade, que abriga hoje o maior parque nacional do cerrado, nomeado em homenagem ao autor: Grande Sertão Veredas.

. Banhado pelo rio Pardo, afluente do São Francisco, o município é o maior produtor de sementes de capim do país.

. Em Serra das Araras, povoado de Chapada Gaúcha, acontece o maior festejo religioso do interior mineiro, o Santo Antônio de Serra das Araras, em junho.

. O nome, Chapada Gaúcha, se deve ao fato da cidade ter sido fundada por migrantes vindos do sul do Brasil, na década de 70, para desenvolver monoculturas no sertão mineiro. O encontro entre os mineiros nativos e os migrantes gaúchos faz do município um lugar rico em diversidade cultural.



CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page
Publicado em quinta-feira, 20 de abril de 2017