Notícias

10/08/2018

Sustentabilidade, tecnologia e crescimento econômico foram temas discutidos no 2º Seminário de Piscicultura do Norte de Minas

Representante do CBHSF falou sobre a importância do uso racional da água nas atividades econômicas.

A Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e a Cooperativa de Alunos, Professores e Funcionários das Ciências Agrárias da Unimontes (Cooperagro) realizaram, na última quinta-feira (09/08), no Centro Cultura Marly Sarney, em Janaúba, região Norte de Minas Gerais, o 2º Seminário de Piscicultura do Norte de Minas: Tecnologia e Inovação para uma Piscicultura Sustentável. O evento teve como objetivo promover o intercâmbio entre piscicultores, técnicos, estudantes, professores do curso de Zootecnia da Unimontes e entidades apoiadoras do encontro, dentre elas, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF).

O coordenador geral do encontro, o engenheiro de pesca e chefe do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf, Maurício Gros, destacou que “a piscicultura é uma atividade rentável, com mercado em expansão e sustentável”. Questionado sobre o desafio de se produzir peixes em uma região com escassez hídrica, o técnico explicou que: “Diferentemente da irrigação, vocação regional, a piscicultura não consome água, pelo contrário, utiliza-se a água de passagem da irrigação, em reservatórios para a produção e engorda dos peixes e, depois essa mesma água é reutilizada integralmente”.

Os participantes do encontro puderam conhecer na prática a tecnologia de produção de peixes em sistema de Aquaponia – associado à produção de hortaliças, sem perder água nenhuma, em um sistema circular, onde a água com as fezes dos peixes adubam as hortaliças e água retorna limpa para os tanques garantindo um ciclo sustentável. A tecnologia foi apresentada pelo pesquisador da Embrapa, Paulo César Falange Carneiro, que levou um “kit” para demonstração do sistema.

Na oportunidade, foi lançado o Programa Piracema do São Francisco – uma parceria entre Codevasf e as prefeituras, inseridas na bacia do Rio São Francisco. A Codevasf patrocina a capacitação dos produtores e técnicos dos municípios e a doação dos alevinos, peixes nativos, e comerciais, como o Tambaqui e a Tilápia. Já as espécies nativas que são produzidas na estação de piscicultura da Codevasf, no município de Nova Porteirinha, serão destinadas ao repovoamento de lagoas e rios dos municípios participantes do programa. A contrapartida da prefeitura se dá no investimento em assistência técnica aos produtores.

O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Entorno de Três Marias e membro do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Altino Rodrigues Neto, explicou sobre os objetivos dos comitês de bacias hidrográficas em sua formação democrática e plural, entre o poder público, usuários, academia, e a comunidade local, com o intuito de prover o uso múltiplo das águas, de forma sustentável, com prioridade para o consumo humano. “Os projetos aqui apresentados atendem a premissa do uso racional e sustentável dos recursos hídricos”. Altino lembrou que a região Norte de Minas está inserida no semiárido, assim como a maior parte dos municípios da bacia do São Francisco, e que “as experiências apresentadas podem e devem ser aplicados em outras regiões, fortalecendo as suas economias com a piscicultura sustentável”. O representante do CBHSF atuou como mediador na mesa de encerramento do encontro, onde os participantes puderam esclarecer dúvidas sobre os programas Piracema do São Francisco e sobre o sistema de produção de peixes em Aquaponia.

*Texto: Núbia Primo
*Fotos: Núbia Primo

Compartilhe:

Outras notícias

22/02/2019

Ministro do Desenvolvimento Regional expressa preocupação com contaminação do rio São Francisco com pluma de rejeitos de Brumadinho

Gustavo Canuto participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, que teve a participação do vice-presidente do CBHSF, José Maciel ...

Leia mais

22/02/2019

População de Paracatu teme por barragens de rejeito de ouro e contaminação por arsênio

Paracatu, distante cerca de 480 quilômetros de Belo Horizonte, na região Noroeste de Minas, abriga a maior planta de mineração ...

Leia mais