Notícias

11/10/2018

Reunião define os passos da expedição que será feita no Baixo São Francisco

A região do Baixo São Francisco deverá receber, pela primeira vez, o maior e mais profundo levantamento das condições de sua vida lacustre. A partir da próxima semana, de 15 a 19 de outubro, pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), juntamente com empresas relacionadas às questões ambientais e secretarias governamentais farão uma expedição, que se estenderá pelos municípios alagoanos de Traipu, Igreja Nova, Piaçabuçu, Porto Real do Colégio e Penedo. Na manhã desta quarta-feira (10 de outubro), a equipe que fará o trabalho se reuniu na Ufal para definir os detalhes da operação.

O trabalho tem o apoio do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) e contará com a presença de um barco robótico, capaz de oferecer informações precisas suficientes para traçar um “raio-x” do Velho Chico em diversos aspectos. O objetivo é atender a demandas existentes em quesitos como manutenção do rio, a sua preservação e até mesmo problemas de saúde pública.

O coordenador da expedição, professor do Centro de Ciências Agrárias (Ceca) da Ufal, Emerson Soares, explica que o trabalho irá reunir informações que, hoje, estão dispostas de forma pulverizada, o que dificulta a consulta e a elaboração de diagnósticos para o rio. “Teremos, nesse trabalho, a participação de mais de 40 pesquisadores e estudantes, incluindo um colega da Alemanha, com larga experiência, e que pode contribuir com essa atividade”, explica Soares.

De acordo com o professor, desde 2007, pesquisadores estudam o São Francisco, em aspectos como assoreamento, cunha salina, poluição aquática, identificação de espécies que sofrem com as alterações fisiológicas do rio e modificam o ciclo reprodutivo, entre outros. “São questões que sofrem interferências e é preciso uma base informativa para identificar a melhor maneira de gerir os recursos”, explica ele. Emerson Soares acrescenta, ainda, que o São Francisco sofre algumas mudanças que precisam ser monitoradas, como o aumento da carcinicultura e da rizicultura.

Ele alerta, também, para o registro de casos de saúde pública que podem ter relação com as espécies retiradas do São Francisco. “Vamos investigar, inclusive, se casos de câncer na população não estariam relacionados ao consumo de espécies com metais pesados, ou seja, o que indicaria o uso inadequado de fertilizantes e agrotóxicos”, adianta Emerson Soares. Este deverá ser o primeiro trabalho também executado pelo Laboratório de Estudos e Impactos Ambientais (Leia) da Embrapa Tabuleiros Costeiros, presente na expedição.

Deverão fazer parte do trabalho, além de equipes da Ufal, as secretarias estaduais de Meio Ambiente de Alagoas (Semarh), de Agricultura (Seagri), de Saúde (Sesau), Embrapa Tabuleiros Costeiros, entre outros. O investimento no trabalho ultrapassa o valor de R$ 1 milhão e se espera um retrato sobre a realidade do Velho Chico para os próximos anos.

Ficou definido que a equipe iniciará o trabalho a partir de Penedo, nas primeiras horas do dia 15. Serão pesquisadas áreas de limnologia, aquicultura, socioeconomia, extensão rural, genética, toxicologia aquática, meteorologia, poluição aquática, tecnologia do pescado, engenharia de pesca, parasitologia, computação e impacto ambiental terrestre.

*Texto: Delane Barros
*Fotos: Delane Barros e Edson Oliveira

Compartilhe:

Outras notícias

11/10/2018

Anivaldo Miranda é convidado especial da Semana de Agronomia da Ufal

O presidente do Comitê da bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Anivaldo Miranda, foi o convidado especial da Semana ...

Leia mais

11/10/2018

Jornal Travessia – edição de outubro/2018

A edição online da 18ª edição do Jornal Travessia do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) já ...

Leia mais