Notícias

07/12/2018

Plenária promove reflexão sobre a degradação da Caatinga e encerra com apresentações do grupo Banzé


A programação da tarde, que adentrou a noite desta quinta-feira (06), da XXXV Plenária Ordinária e XXI Plenária Extraordinária do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) em Montes Claros/MG reservou espaço para reflexão sobre a grave situação de degradação do bioma da Caatinga.


Sobre a Caatinga, os pesquisadores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), professores Luiz César e Renato Garcia, apresentaram pesquisas da Universidade na preservação da fauna e flora da Caatinga, como parte integrante de convênio entre a Univasf e o governo federal para a execução de 07 condicionantes do licenciamento de implantação do projeto da transposição, que prevê a recuperação de áreas degradadas, como ações mitigadoras.  “A preocupação é preservar a biodiversidade da fauna e flora com ações e projetos de recuperação, monitoramento e devolução para a natureza de animais e plantas originários da Caatinga”, explicou Luiz César.

A Caatinga é encontrada no Nordeste do Brasil, nos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e parte de Minas Gerais. Toda essa área abrange cerca de 844 mil km2, ou seja, 11% do território brasileiro. Apesar de sua importância ecológica, calcula-se que 40 mil km2 da Caatinga já foram transformados em semideserto, pelo corte da vegetação para servir como lenha e pelo manejo não sustentável do solo. “Estima-se que da Caatinga originária, hoje existe apenas entre 40 a 45% de sua vegetação. Nossas pesquisas estão voltadas para recuperação de áreas degradas em solo exposto por cobertura nativa. Não é fácil, mas é o caminho, lento e que requer persistência”, explicou o professor Renato Garcia.

Banzé

Para encerrar a programação, os participantes foram presenteados com uma apresentação do grupo folclórico Banzé, que há 50 anos retrata por meio da música e dança as manifestações culturais da cidade anfitriã, de Montes Claros, que na verdade reúne toda a pujança de uma região impregnada pela cultura do Velho Chico. “Valeu Alto São Francisco, obrigada pela recepção e até a próximo encontro”, finalizou o presidente Anivaldo Miranda.


Veja as fotos


Texto: Núbia Primo

Fotos: Ohana Padilha/Amanda Eduarda

Compartilhe:

Outras notícias

22/02/2019

Ministro do Desenvolvimento Regional expressa preocupação com contaminação do rio São Francisco com pluma de rejeitos de Brumadinho

Gustavo Canuto participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, que teve a participação do vice-presidente do CBHSF, José Maciel ...

Leia mais

22/02/2019

População de Paracatu teme por barragens de rejeito de ouro e contaminação por arsênio

Paracatu, distante cerca de 480 quilômetros de Belo Horizonte, na região Noroeste de Minas, abriga a maior planta de mineração ...

Leia mais