Notícias

08/10/2018

Mancha identificada no Rio São Francisco em Sergipe é de decomposição natural

A mancha escura e com mau cheiro, identificada em meados de setembro na região da foz do Rio São Francisco, em Brejo Grande (SE), é de origem natural, proveniente do material vegetal oriundo de acúmulo de macrófitas aquáticas submersas. A informação foi transmitida pela equipe técnica do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) na manhã desta segunda-feira (8 de outubro), durante reunião promovida pela Agência Nacional de Águas (ANA) para analisar as condições hidrológicas da bacia do São Francisco e transmitida por videoconferência para os estados da bacia.
A mancha escura foi identificada por um empresário do setor de turismo da região e as imagens em vídeo foram encaminhadas para o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) e para Ministério Público Estadual de Sergipe (MP/SE). Diante da informação, o presidente do Comitê, Anivaldo Miranda, solicitou uma posição por parte do Ibama. “É um alívio saber que se trata de uma decomposição de material orgânico e vegetal. Entretanto, é importante conhecer outros fatores, como identificar qual a possível influência da cunha salina para aprofundar essa questão”, afirmou Miranda durante a videoconferência. O presidente do CBHSF aproveitou a oportunidade para ressaltar a importância do acompanhamento dos fatos dentro da cultura de agir antecipadamente.
Ainda de acordo com a apresentação feita pela equipe do Ibama, os pontos em que houve o surgimento dessa decomposição serão acompanhados com frequência e o resultado, divulgado para a população. A reação, conforme atesta o documento encaminhado para a ANA e divulgado na reunião, não altera de forma significativa a qualidade da água. O superintendente de Recursos Hídricos da Secretaria de Meio Ambiente de Sergipe (Semarh/SE), Ailton Rocha, reforçou a necessidade de um acompanhamento permanente do problema.
Representante do Ministério das Minas e Energia (MME) na reunião, Carlos Novaes pediu para identificar se o material encontrado e que provocou a mancha é próprio do local ou se é oriundo de outro ponto do rio. O objetivo é conhecer os motivos que levaram a forma como o material se decompôs, se há influência externa, como o lançamento de esgotos, por exemplo.
Chuva
Como sempre ocorre a cada encontro, a equipe do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) apresentou o resultado da avaliação hidrometeorológica para a bacia do chamado rio da integração nacional. De acordo com os dados exibidos, a estação chuvosa na bacia começa a sinalizar o seu início.
Diante disso, a equipe do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresentou a projeção para o índice de acumulação nos principais reservatórios instalados na bacia hidrográfica. A previsão até o final de outubro é de uma defluência de 295 metros cúbicos por segundo (m³/s) no reservatório de Três Marias, em Minas Gerais, a partir do próximo dia 19 e de 305 m³/s depois de 30 dias. Para Sobradinho, na Bahia, a previsão é de uma defluência de 730 m³/s e a manutenção dos 600 m³/s para o reservatório de Xingó, em Alagoas.
Durante a reunião, o superintendente de Operações e Eventos Críticos da ANA, Joaquim Gondim, adiantou que a indicação é de que a acumulação em Três Marias fique num nível adequado, bem como em Sobradinho que deve também apresentar uma recuperação, de até 41% do volume útil do reservatório. Gondim voltou a lembrar da nova resolução que estabelece novos níveis das vazões defluentes e que a mesma só entrará em vigor após acordo entre todos os participantes da reunião.
O encontro é promovido quinzenalmente pela ANA e transmitido para os estados inseridos na bacia através de videoconferência. Participam todos os envolvidos nas questões do Velho chico, a exemplo de irrigantes, pescadores, poder público, Marinha, Ministério Público, Comitê, entre outros. O próximo encontro está marcado para o dia 22, a partir das 10h, horário de Brasília.
*Texto: Delane Barros
*Foto: Divulgação

Compartilhe:

Outras notícias

22/02/2019

Ministro do Desenvolvimento Regional expressa preocupação com contaminação do rio São Francisco com pluma de rejeitos de Brumadinho

Gustavo Canuto participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, que teve a participação do vice-presidente do CBHSF, José Maciel ...

Leia mais

22/02/2019

População de Paracatu teme por barragens de rejeito de ouro e contaminação por arsênio

Paracatu, distante cerca de 480 quilômetros de Belo Horizonte, na região Noroeste de Minas, abriga a maior planta de mineração ...

Leia mais