Notícias

07/12/2018

Importância ambiental e econômica do projeto Jequitaí é apresentada em Plenária


Outra preocupação do CBHSF trazida à XXXV Plenária, na manhã desta sexta-feira 07, é a segurança hídrica da população do Norte de Minas Gerais, região que vem enfrentando historicamente e, intensificada nos últimos anos, uma grave crise hídrica com desabastecimento humano. Uma das soluções apontadas e cobradas principalmente pela classe política da região é a conclusão do projeto hidroagrícola do Jequitaí. Os CBHs regionais Jequitaí/ Pacuí e Verde Grande acompanham o cumprimento das condicionantes ambientais, econômicas e sociais da outorga da licença de operação do empreendimento.


Fernando Britto, chefe de gabinete da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Minas Gerais, instituição responsável pela execução da obra, apresentou o que já foi feito e os valores investidos no projeto. “Foram recursos na ordem R$ 170 milhões oriundos do governo federal dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC Revitalização) com a contrapartida do governo de Minas Gerais de R$ 14,5 milhões, para as ações regularização ambiental e fundiária”, explicou.

Segundo Britto, a crise financeira dos governos federal e do Estado de Minas Gerais são as principais razões pelo atraso nas obras. “Iniciado no ano 2011, a situação atual do projeto é de regularização fundiária. Estão sendo indenizadas 276 propriedades, numa área de 9.713 hectares”, explicou.

O chefe de gabinete solicitou a intervenção do comitê para redação de um termo de moção, solicitando às autoridades competentes priorização de recursos na ordem de R$ 250 milhões para o andamento do projeto. O pedido foi aprovado pelos membros do comitê.


Veja as fotos:



O projeto

O projeto Jequitaí tem por objetivo a sustentação do potencial hídrico do rio Jequitaí, por meio da regularização da oferta de água e de suas vazões, diminuindo os riscos de enchentes e da falta de água na época de estiagem. Com a implantação de duas barragens. A Barragem Jequitaí I, deve formar um lago que vai atingir também os municípios de Claro dos Poções e Francisco Dumont. Já o perímetro de irrigação, criado a partir da Barragem Jequitaí II, abrangerá, além de Jequitaí, parte dos municípios de Várzea da Palma e Lagoa dos Patos. O projeto Jequitaí viabilizará, ainda, a irrigação de 35 mil hectares de lavouras, com a previsão de produção de 500 mil toneladas/ano, e geração de 105 mil empregos diretos e indiretos, além da geração de energia instalada de 20,6 megawatts, beneficiando o meio urbano e rural de 16 municípios situados na sua área de influência.

Fotos: Ohana Padilha
Texto: Núbia Primo

Compartilhe:

Outras notícias

22/02/2019

Ministro do Desenvolvimento Regional expressa preocupação com contaminação do rio São Francisco com pluma de rejeitos de Brumadinho

Gustavo Canuto participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, que teve a participação do vice-presidente do CBHSF, José Maciel ...

Leia mais

22/02/2019

População de Paracatu teme por barragens de rejeito de ouro e contaminação por arsênio

Paracatu, distante cerca de 480 quilômetros de Belo Horizonte, na região Noroeste de Minas, abriga a maior planta de mineração ...

Leia mais