Notícias

11/01/2018

Dois Dedos de Prosa com Luiz Dourado

Luiz Alberto Rodrigues Dourado, turismólogo e antropólogo por formação, é pós-graduado em Educação Socioambiental e Desenvolvimento Sustentável, especialista em governança de recursos hídricos. Atualmente, vem contribuindo com a Associação dos Condutores de Visitantes do Morro do Chapéu, cidade onde reside. Nascido em Juazeiro, no norte da Bahia, define sua relação com o Rio São Francisco como sendo de “corpo, alma e espírito”, já que viveu desde a infância até a fase adulta aproveitando todas as formas de lazer existentes no rio.

Como e quando começou sua atuação no Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco? Por que decidiu contribuir com o CBHSF?

Começou em 2009. A decisão foi tomada em face da minha aposentadoria e pelo fato de querer devolver ao rio um pouco do muito que ele me deu na vida em forma de lazer e bem-estar. Sinto como se as águas do rio corressem dentro do meu corpo dando manutenção a todos os processos vitais e bioquímicos que me mantém vivo.

Qual a sua avaliação sobre a situação de crise hídrica? Do seu ponto de vista, quais fatores externos poderiam ter contribuído para o cenário atual?

A crise hídrica atual tem três componentes intrinsecamente relacionados:

1- A ocupação e predação da Bacia Hidrográfica desde 1501, com a expedição de Américo Vespúcio, decorrendo 517 anos.

2- Os impactos naturais advindos das secas, cheias e estiagens, havidos e por haver, constituindo-se em fator imponderável da natureza.

3- O que denomino de “seca de gestão governamental”, que é o pior deles, porque acentua os impactos dos dois fatores supracitados. Inexiste, praticamente, a impostergável revitalização.

Tudo isso contribui para o estado de degradação da Bacia atualmente.

Como o  CBHSF em suas diversas atuações pode e vem contribuindo para a mudança desse cenário?

Exercendo o seu papel político-institucional lutando para conectar as políticas públicas relacionadas com os três entes federativos que detêm o quantum necessário para a revitalização. A DIREX tem buscado, em seu protagonismo notável nas duas últimas gestões, sensibilizar os órgãos relacionados para que aproveitem bem a atualização do Plano de Bacia para aportarem recursos necessários para a pretensa revitalização.
Vale ressaltar que a revitalização requer vultosos recursos detidos pelos municípios, estados e União e se vale dos recursos da cobrança para fazer “obras demonstrativas” que devem ser aprimoradas ao longo do tempo-espaço de gestão.

Chegamos a um patamar de preocupação com o atual cenário do Rio São Francisco no qual percebemos que, a cada ano, o nível dos reservatórios não consegue se recuperar o suficiente. Na sua percepção, esse cenário pode se tornar ainda pior? É possível evitá-lo? Como?

O cenário de degradação atual só pode ser recomposto tempestivamente pelas ações da natureza em seus processos de “reequilíbrio” naturais e espontâneos. Não sabemos se nesse “tempo natural” o homem da bacia suportará e, quiçá, sobreviverá.

Como você define o Rio São Francisco?

Um rio da vida do Semiárido que não corre mais primaveril e nem canta mais o amor de chegar ao mar onde quase não deságua. E aqui deixo meu verso neste universo-rio que corre dentro de mim.

“Meu rio que vejo da ponte onde sempre estou debruçado (entre Juazeiro e Petrolina) embora existam outras pontes mais do meu imaginário, distendida sobre suas águas.

Ponte que une e que separa, separa e une num trânsito eterno de ir e vir entre Juazeiro e Petrolina.

Dos olhos meus chorados junto com as águas, as minhas lágrimas de lamento e saudade dos tempos idos.

Rio da vida que não corre mais primaveril e nem canta mais o grande amor de suas torrentes e não pode mais ir a mar.

E neste trânsito de polos parafráguas, entre ondas e vagas quase mortas e que quase desesperançadas, de navegar nos barcos de adeuses e de rio.

De onde para onde meu rio São Francisco? Para mais e menos infinitude e eternidade. (autoria: Luiz Dourado)”

 

Por Juciana Cavalcante

Outras notícias

15/01/2018

Seminário Internacional Águas pela Paz: Comitês de Bacia são exemplo para resolução de conflitos

Visão holística sobre a água foi tema central do seminário A água é o mais básico dos direitos humanos e um ...

Leia mais

12/01/2018

O uso da água em debate

Em 2018, o Brasil vai sediar o Fórum Mundial da Água, maior evento internacional sobre o tema, com a participação ...

Leia mais