Notícias

25/04/2012

Discreta, Dilma fica na platéia e Lula festeja o PAC em tom eleitoral

Sentada na primeira fileira da platéia, no Salão Nobre do Palácio do Planalto, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, fugiu dos holofotes na cerimônia de divulgação dos investimentos no País, embora tenha ajudado a organizar as informações sob o mote “Um novo Brasil em Construção”. Tudo foi planejado para não parecer que a solenidade tinha revestimento eleitoral, mas o marketing político da reunião – com 28 ministros e uma penca de empresários, sindicalistas e dirigentes de partidos aliados – ficou evidente. Sob o guarda-chuva do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o encontro produziu uma cena impensável tempos atrás: na mesma fileira ocupada por Dilma, o senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL), alvo de um processo de impeachment em 1992, era um dos mais atentos espectadores do ex-rival Lula, que chegou até mesmo a citá-lo no discurso.

Com Dilma na platéia, coube ao presidente pôr na vitrine o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), coordenado pela ministra, sua candidata preferida para a eleição de 2010. Num discurso que mesclou trechos lidos e frases improvisadas, Lula disse que o País atravessou um “deserto de estagnação” antes de seu governo e rendeu homenagens ao PAC. “A turma do contra que me desculpe, mas não haverá apagão no Brasil”, disse o presidente, aplaudido várias vezes. Lula enfileirou investimentos que só saíram do papel “graças ao PAC” na área de energia, transporte e saneamento para fechar o raciocínio louvando o projeto que prevê a transposição do Rio São Francisco.

Foi justamente ao falar dos “programas de revitalização do velho Chico” que o presidente citou Collor. “É importante lembrar, ex-presidente Collor, que o Canal do Sertão de Alagoas vai tirar mais água por segundo do que o (projeto) do Rio São Francisco”. Olhando para Dilma, assegurou, ainda, que seu sucessor poderá inaugurar o Eixo Norte do projeto de transposição em 2012. O Eixo Leste entra em operação em 2010, último ano do governo Lula.

A chefe da Casa Civil saiu da cerimônia disposta a não dar entrevistas. “Hoje eu não vou falar”, comunicou. Cercada, porém, por jornalistas, fez apenas uma declaração sobre os trabalhos da comissão interministerial encarregada de apresentar propostas para o novo marco regulatório do petróleo. “Está tudo dentro do prazo”, encerrou.

Embora o governo tenha convidado tucanos e integrantes do DEM, só um parlamentar de oposição compareceu: o senador José Nery (PSOL-PA). “O Brasil não é só de quem está no governo. É de quem está, de quem não está, de quem ajuda, de quem não ajuda e até de quem não torce”, disse o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro. Articulador político do Planalto, ele negou o caráter eleitoral do encontro. “Isso não tem nada a ver com eleição”, reagiu. “Não podemos conversar com empresários e a imprensa só em anos que não têm eleições.”

Compartilhe:

Outras notícias

22/02/2019

Ministro do Desenvolvimento Regional expressa preocupação com contaminação do rio São Francisco com pluma de rejeitos de Brumadinho

Gustavo Canuto participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, que teve a participação do vice-presidente do CBHSF, José Maciel ...

Leia mais

22/02/2019

População de Paracatu teme por barragens de rejeito de ouro e contaminação por arsênio

Paracatu, distante cerca de 480 quilômetros de Belo Horizonte, na região Noroeste de Minas, abriga a maior planta de mineração ...

Leia mais